Obras

Iluminação Decorativa – Salvador

A 2MS Engenharia através da Prefeitura Municipal de Salvador, promoveu a iluminação decorativa para os festejos natalinos na capital baiana. Ao todo a iluminação de natal contou com cerca de 2,3 mil peças de LED, as instalações contemplaram 38 pontos da cidade. Algumas áreas como Campo Grande; Avenida 7 de Setembro; Praça Castro Alves; Praça da Piedade; Relógio de São Pedro; Barra e Avenida Centenário receberam iluminação especial, além disso regiões como o Dique do Tororó e Avenida Garibaldi também receberam iluminações decorativas.

Tudo isso atendendo através de projetos específicos as necessidades do cliente.

Saiba Mais…

Morar Melhor

A 2MS Engenharia através do Morar Melhor programa da Prefeitura municipal de Salvador, beneficia os imóveis de quem mais precisa. As residências cadastradas pelo programa serão beneficiadas em até R$ 5 mil cada com serviços de pintura e reboco da fachada; troca de esquadrias (portas, janelas, portões, venezianas); instalações sanitárias; e recuperação ou troca do telhado.

O programa Morar Melhor vai recuperar e melhorar imoveis nos 160 bairros e nas 3 ilhas de Salvador, ao todo 100 mil residencias serão beneficiadas. A 2MS Engenharia atua nas localidades de Calabar, Alto das Pombas, Nordeste de Amaralina, Chapada e Engenho velho da Federação.

Abaixo algumas imagens que mostram as unidades antes e depois de serem reformadas.

Saiba Mais…

Serviços de Infraestrutura no Município de Salvador – SUCOP

Através da Superintendência de Conservação e Obras Públicas do Salvador (SUCOP), a 2MS Engenharia vem fazendo melhorias em diversas localidades da capital baiana: Barra, Vale do Matatu, Brotas, Federação, Cidade Jardim, Ondina, Rio vermelho, Jardim dos namorados,Vale das pedrinhas, Comercio.

Saiba Mais…

RESIDENCIAL VILA NOVAES

Construção de 286 unidades habitacionais no residencial Vila Novaes

Saiba Mais…

RESIDENCIAL RIO CACHOEIRA

Situado no município de Ilhéus, no quilômetro 4 da rodovia Ilhéus-Itabuna (BR 415), deverão ser entregues 600 apartamentos pelo programa Minha casa, minha vida.

Acompanhe nossas obras desde o início:

Saiba Mais…

RESIDENCIAL ANTÔNIO CARLOS COSTA

463 residências de 45 metros quadrados onde se distribuem 2 quartos, sala, banheiro, cozinha e área de serviço. Conta também com uma área comum que incluem de 2 centros comunitários, parque infantil e dois campos de futebol.

Saiba Mais…

RESIDENCIAL JARDIM PAQUETÁ

Mais de 1300 pessoas com renda de até três salários mínimos foram beneficiadas com esta obra que tem área privativa de 40,58 metros quadrados sendo dois quartos, sala, cozinha, banheiro social.  Além das casas o empreendimento conta também com equipamentos de lazer como quiosque, campo de futebol, centro comunitário e parque infantil.

Saiba Mais…

RESIDENCIAL PADRE JOSÉ

O Residencial Padre José, entregue pela 2MS à população de Teixeira de Freitas em 29 de maio de 2015, conta com uma área de 60 mil metros quadrados.

Saiba Mais…

RESIDENCIAL LUIZ BEZERRA

O Conjunto Habitacional Luiz Bezerra Torres, localizado no Alto do Moura, que é composto por 2.404 unidades habitacionais sobrepostas em 290 blocos residenciais com 8 unidades habitacionais e 26 blocos residenciais com 4 unidades habitacionais, sendo cada unidade composta de sala, dois quartos, banheiros e área de serviço, perfazendo um total de 39,36m². O empreendimento ainda conta com a construção de quadras poliesportiva, quiosques, centro comunitário, ciclovia e pista de Cooper. Ao todo serão beneficiadas mais de 9000 pessoas.

Saiba Mais…

RESIDENCIAL JACILDO MESQUITA

Construção de 465 unidades habitacionais no município de São Sebastião do Passé,  em Araçatiba, na rua Padre Luiz Ferreira de Brito, totalizando uma área de 63.197,80m². As unidades serão compostas por sala, dois quartos, banheiro, cozinha e área de serviço, o empreendimento ainda contará com a construção de quadras poliesportivas, quiosques, centro comunitário e parque infantil com intuito de proporcionar maior lazer aos beneficiários. Ao todo cerca de 1.860 pessoas serão beneficiadas.

Abaixo algumas imagens.

Saiba Mais…

  • Infelizmente não conseguimos acessar as cotações

Notícias

  • Economia
  • Política
  • Educação

Juntos, os quatro fundos detêm mais de 1 bilhão de dólares em ações da rede social. Eles assinam proposta do fundo de investimento Trillium, divulgada em julho. Recortes de papelão em tamanho real com o rosto do presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, foram colocados diante do Capitólio, em Washington (EUA), com a frase 'Conserte o Fakebook', em protesto chamando atenção para milhões de contas falsas que seguem ativas e são usadas para espalhar 'fake news' Saul Loeb/AFP Fundos que detêm ações do Facebook se juntaram para apoiar uma proposta que removeria o presidente e fundador da rede social, Mark Zuckerberg, da presidência do conselho. Segundo os acionistas, o executivo teria lidado mal com os diversos escândalos que o Facebook enfrentou recentemente. A notícia foi adiantada pelo portal americano “Business Insider”. A proposta, que deve ser votada no próximo encontro de acionistas do Facebook, em maio de 2019, pede que o conselho consultivo do Facebook estabeleça a presidência como um cargo independente. Entre os fundos estão os tesouros estaduais dos estados americanos de Illinois, Rhode Island e Pensilvânia e também Scott Stringer, Controlador Fiscal de Nova York. Eles se juntaram ao fundo de investimentos Trillium, que trouxe o assunto à tona em julho. Com o suporte desses fundos, que juntos controlam mais de US$ 1 bilhão em ações do Facebook, a proposta passa a ganhar mais corpo. A proposta da Trillium cita alguns escândalos envolvendo o Facebook como motivo de mudança, como o uso da rede social para mudar os rumos das eleições americanas em 2016, bem como o caso Cambridge Analytica, empresa britânica que fez mal uso de dados pessoais disponíveis no Facebook em prol de campanhas políticas. O vazamento, em setembro deste ano, de informações de mais de 30 milhões de usuários também entrou nos motivos do fundo. Acionistas contra Zuckerberg Uma proposta semelhante já havia sido colocada sob votação na reunião de acionistas do ano passado, mas, embora tenha sido aprovada por 51% dos acionistas, a ideia não foi pra frente pela estrutura acionária da empresa. No Facebook, ações Classe B tem 10 vezes mais poder de voto do que ações Classe A — e Mark Zuckerberg tem 75% das ações Classe B da empresa. Diante desse controle, as chances de a proposta atual não ser aprovada são significativas. Apesar disso, o incômodo cresce entre os acionistas da rede social. “Nós precisamos que o conselho do Facebook faça um comprometimento sério em lidar com os riscos reais — em termos de reputação, regulação, e democracia — que estão impactando a companhia”, disse Stringer, controlador fiscal de Nova York, em um depoimento. Ele supervisiona cerca de US$ 895 milhões em ações da empresa. O Facebook não comentou a proposta com o “Business Insider”.

Baidu é a primeira chinesa a entrar em consórcio de inteligência artificial que conta com Google, Apple e Facebook. Sede do Baidu em Shanghai, na China. Aly Song/Reuters A empresa de buscas online Baidu se tornou a primeira companhia chinesa a participar de uma aliança sobre inteligência artificial, liderado por empresas dos Estados Unidos, em meio a choques políticos gerada pela competição de ambos os países na área. Criado em 2016, a ideia da Parceria em Inteligência Artificial (PAI), grupo que conta com grandes empresas de tecnologia — como Google, Apple, IBM e Facebook — é diminuir as tensões sociais em torno da inteligência artificial. A aliança desenvolve diretrizes éticas para pesquisa e melhores práticas em inteligência artificial em parceria dessas empresas com acadêmicos e especialistas em ética. "Admitir nosso primeiro membro chinês é um importante passo para construir uma parceria realmente global", disse Terah Lyons, diretora-executiva da Parceria. Entre os receios em relação a esse tipo de tecnologia está o medo de que as máquias se tornem mais inteligentes que as pessoas, algo alarmado pelo bilionário Elon Musk, presidente da montadora Tesla. Especialistas também temem que terroristas e criminosos lancem mão de inteligência artificial. No ano passado, o Ministério da Indústria da China nomeou a Baidu como uma das quatro campeãs nacionais em IA. O país tem interesses diretos na tecnologia e no ano passado traçou estratégias para ter um mercado doméstico de inteligência artificial avaliado em quase US$ 150 bilhões nos próximos anos. A Baidu, que comanda o maior negócio de buscas na China, tem investido pesado em inteligência artificial, a exemplo dos carros autônomos. No projeto Apollo, que planeja desenvolver um sistema de direção autônoma, a Baidu trabalha junto a grandes montadoras como Ford e BMW. Em uma entrevista à rede americana “CNN” no ano passado, o presidente da Baidu chegou a afirmar que “a inteligência artificial é a nova eletricidade, uma tecnologia que irá mudar indústria atrás de indústria”. A inclusão da Baidu no grupo acontece no meio de uma disputa política entre EUA e China por causa de transferência de tecnologia — uma briga que tem gerado barreiras tarifárias de ambos os lados.

Piso estava congelado desde 2014, e presidente vetou reajuste aprovado pelo Legislativo. Pelo texto, remuneração mínima passará dos atuais R$ 1.014 para R$ 1.550 até 2021. Agentes comunitários de saúde (parte de cima da foto) acompanham votação no plenário da Câmara; deputados (parte de baixo da foto) discutem o reajuste para a categoria Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados O Congresso Nacional derrubou nesta quarta-feira (17) um veto do presidente Michel Temer e, com isso, liberou o piso de R$ 1.550,00 para os agentes comunitários de saúde e de combate a endemias. A remuneração mínima atual da categoria é de R$ 1.014,00 e estava congelada desde 2014. Após o Congresso aprovar o reajuste, Temer vetou. O governo argumentou que o novo piso representará aumento dos gastos públicos. A TV Globo procurou o Ministério da Fazenda para saber o impacto e aguardava resposta até a última atualização desta reportagem. O governo também argumentou que aumento de despesa com pessoal nos 180 dias anteriores ao final do mandato do Poder Executivo pode ser enquadrado na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). O reajuste Pelo texto, o reajuste será concedido da seguinte maneira: R$ 1.250,00 a partir de 1º de janeiro de 2019; R$ 1.400,00 a partir de 1º de janeiro de 2020; R$ 1.550,00 a partir de 1º de janeiro de 2021. Votação A votação desta quarta-feira foi realizada por meio de cédula e, no plenário da Câmara, não houve oposição à derrubada do veto. Durante a sessão, um grupo de agentes comunitários acompanhou a votação das galerias do Congresso e aplaudiu a aprovação. Justificativa do governo Quando Temer vetou o reajuste para a categoria, o governo alegou considerar o aumento inconstitucional por não ter sido uma iniciativa do Poder Executivo. O reajuste não constava da versão original da medida provisória enviada pelo governo. O texto do Executivo apenas estabelecia normas para o exercício profissional da categoria, como jornada de trabalho de 40 horas semanais. Durante a tramitação no Congresso, porém, os parlamentares colocaram a previsão de reajuste.

 Hollerbach, um dos sócios de Marcos Valério, foi condenado a 27 anos, quatro meses e 20 dias de prisão pelos crimes de corrupção ativa, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e peculato. Ramon Hollerbach na época da prisão em 2013 Reprodução/TV Globo O Supremo Tribunal Federal (STF) informou nesta terça-feira (31) que o ministro Edson Fachin rejeitou um pedido da defesa de Ramon Hollerbach para revisão criminal da pena na Ação Penal 470, o mensalão do PT. Ainda de acordo com o Supremo, os advogados de Hollerbach pretendiam desconstruir parte da condenação dele e absolver o publicitário, um dos sócios de Marcos Valério; ou como alternativa, tentaram a revisão da pena privativa de liberdade. A defesa alegou que, com a absolvição dos réus quanto ao crime de quadrilha, ficou definitivamente rechaçada a tese do mensalão, conforme o STF. O relator considerou que o pedido “não se funda em novas provas descobertas após a condenação, bem como que os argumentos e fatos que a defesa pretendeu comprovar não são aptos a desconstituir, ainda que parcialmente, o título condenatório”. O advogado Estevão Ferreira de Melo afirmou que vai recorrer da decisão, assim que for intimado oficialmente. Ele disse ainda que novas “provas robustas” foram apresentadas para a redução da pena e o ministro as desconsiderou. Ramon Hollerbach foi condenado a 27 anos, quatro meses e 20 dias de prisão pelos crimes de corrupção ativa, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e peculato no mensalão do PT cumpre pena na Associação de Proteção ao Condenado (Apac) de Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Banqueira foi condenada à prisão pelo tribunal, em 2012, no julgamento do mensalão. Benefício foi concedido pelo ministro Luís Roberto Barroso, responsável pela execução das penas. Kátia Rabello estava cumprindo prisão em regime aberto desde novembro do ano passado Reprodução/TV Globo O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu o benefício da liberdade condicional à ex-presidente do Banco Rural Kátia Rabello, condenada no julgamento do mensalão por lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta de instituição financeira e evasão de divisas. Kátia Rabello foi condenada pelos ministros do STF, em novembro de 2012, a 16 anos e 8 meses de prisão por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e gestão fraudulenta de instituição financeira. Posteriormente, a Corte acolheu um recurso da defesa da banqueira e excluiu o crime de formação de quadrilha, cuja pena havia sido definida em 2 anos e três meses. Com esta mudança, a pena da ex-presidente do Banco Rural ficou fixada em 14 anos e 5 meses de prisão. Ela começou a cumprir a pena de 14 anos de prisão em novembro de 2013, progrediu para o semiaberto (no qual somente dorme na prisão) em dezembro de 2015 e passou para o regime aberto (onde cumpre pena fora da prisão) em novembro do ano passado. Na liberdade condicional, o condenado continua em liberdade até o final de sua pena, que pode ser extinta posteriormente se não voltar a cometer crimes e caso se apresente regularmente à Justiça. Relator da execução penal do processo do mensalão, o ministro Luís Roberto Barroso registrou na decisão que autorizou a ex-banqueira a cumprir prisão condicional que Rabello cumpriu todos os requisitos para obtenção do benefício, como, por exemplo, se sustentar com trabalho honesto. “Se trata de requerente primária e de bons antecedentes, havendo nos autos atestado carcerário emitido pelo Complexo Penitenciário Feminino de Belo Horizonte/MG, no sentido de que não consta registro de cometimento de falta disciplinar em desfavor da sentenciada”, escreveu o ministro em trecho da decisão.

Simone Vasconcelos foi condenada no julgamento do mensalão a 12 anos e 7 meses por corrupção, lavagem e evasão; MP recomendou benefício por bom comportamento. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso concedeu liberdade condicional a Simone Vasconcelos, ex-funcionária de Marcos Valério, apontado como operador do esquema de corrupção conhecido como mensalão. Com a decisão, proferida na semana passada, Simone deixa de cumprir o restante da pena na prisão, desde que atenda a uma série de condições determinadas pela Justiça. No julgamento do mensalão, ela foi condenada a 12 anos, 7 meses e 20 dias de prisão. No início de novembro, já havia cumprido os requisitos para obter o livramento: passou 3 anos na prisão e trabalhou por quase 1 ano e 3 meses, obtendo redução no total da pena. O livramento condicional foi recomendado pelo próprio Ministério Público, responsável pela acusação. Além do tempo presa, Simone Vasconcelos recebeu atestado de bom comportamento no Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto e de bom desempenho no trabalho. Desde julho de 2015, ela passou a trabalhar numa clínica de fisioterapia em Belo Horizonte. Por fim, a ex-funcionária de Marcos Valério apresentou uma carta de concessão de aposentadoria demonstrando que seria capaz de prover a própria subsistência. Condenada por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, Simone Vasconcelos se entregou à polícia em novembro de 2013, após a rejeição de recursos contra a condenação apresentados ao STF. Ela chegou a ser levada para Brasília, onde ficou detida até dezembro, quando foi transferida para a capital mineira.

Dos 5,5 milhões de inscritos confirmados, 3 milhões vivem no DF e nos dez estados que entrarão no horário de verão em 4 de novembro, primeiro dia de provas do Enem. No dia 4 de novembro, primeiro dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mais de 3 milhões de candidatos precisarão adiantar o relógio em uma hora para se adequar ao horário de verão, que nesse ano coincide com o exame do MEC. Eles representam 56% do total de 5,5 milhões de candidatos com inscrição confirmada nas provas. Baixe o aplicativo G1 Enem, jogo de perguntas e respostas Onde haverá horário de verão? O horário de verão entrará em vigor em dez estados, além do Distrito Federal: Região Sul: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná Região Sudeste: São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais Região Centro-Oeste: Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal No total, 3.087.626 candidatos do Enem 2018 vivem nesses locais. Juntos, os estados de São Paulo e Minas Gerais concentram metade dos inscritos que terão que adiantar o relógio no dia da prova. Desses estados, porém, nem todos estarão no horário de Brasília. Como o horário local em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul atualmente já está uma hora atrás de Brasília, essa diferença continua igual. Isso quer dizer que o fechamento dos portões nesses dois estados acontece às 12h do horário local. Horário das provas (horário OFICIAL de Brasília) Horário das provas (horário OFICIAL de Brasília) Abertura dos portões: 12h (horário de Brasília) Fechamento dos portões: 13h (horário de Brasília) Início das provas: 13h30 (horário de Brasília) Saída permitida a partir das 15h30 sem o caderno de provas. Saída liberada com o cartão de provas: 18h30 (horário de Brasília) Fim da prova: 19h (horário de Brasília) E o resto do Brasil? Os demais estados não precisarão mudar o relógio em 4 de novembro, mas os 2,4 milhões de candidatos que farão as provas nessas regiões terão que se ajustar à nova diferença de fuso em relação ao horário oficial de Brasília. Atualmente, 14 estados estão no mesmo horário que Brasília, mas, no primeiro dia do Enem, eles passarão a estar uma hora atrás. Portanto, o horário local de fechamento será, também, uma hora antes. Outros três estados estarão duas horas atrás e, no Acre e em 13 municípios do Amazonas, essa diferença será de três horas. Veja abaixo a lista com os horários locais de fechamento dos portões em cada estado do Brasil: 13h (fechamento dos portões no horário local) Distrito Federal Espírito Santo Goiás Minas Gerais Paraná Rio de Janeiro Rio Grande do Sul Santa Catarina São Paulo 12h (fechamento dos portões no horário local) Alagoas Amapá Bahia Ceará Maranhão Mato Grosso Mato Grosso do Sul Pará Paraíba Pernambuco Piauí Rio Grande do Norte Sergipe Tocantins 11h (fechamento dos portões no horário local) Amazonas (com exceção de 13 municípios abaixo) Rondônia Roraima 10h (fechamento dos portões no horário local) Acre Amazonas (13 municípios da região sudoeste: Atalaia do Norte, Benjamin Constant, Boca do Acre, Eirunepé, Envira, Guajará, Ipixuna, Itamarati, Jutaí, Lábrea, Pauini, São Paulo de Olivença e Tabatinga) Enem 2018: veja o horário LOCAL de fechamento dos portões do exame nos dias 4 e 11 de novembro Arte G1

Jair Bolsonaro (PSL) disse ser favorável ao ensino fundamental não presencial; Fernando Haddad (PT) afirma ser contra nessa etapa e no ensino médio. Os dois candidatos à Presidência da República que disputarão o segundo turno da eleição, Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), têm posições distintas para o ensino a distância. A proposta não é citada no programa de governo de nenhum dos dois candidatos, mas apareceu em entrevistas de ambos durante a campanha. Bolsonaro afirmou ser a favor de permitir a modalidade inclusive no ensino fundamental, que vai do 1º ao 9º ano, com alunos de 6 e 14 anos. Haddad, por sua vez, disse ser contra, e prometeu impedir também ensino médio a distância. Leia abaixo o que disseram os dois candidatos, e quais são as regras atualmente em vigor no Brasil: Proposta de Jair Bolsonaro (PSL) Veja as promessas feitas por Bolsonaro No programa de governo: No documento protocolado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o candidato do PSL menciona o ensino da distância em um parágrafo, sem falar diretamente sobre os alunos do ensino fundamental. “Educação à distância: deveria ser vista como um importante instrumento e não vetada de forma dogmática. Deve ser considerada como alternativa para as áreas rurais onde as grandes distâncias dificultam ou impedem aulas presenciais”, diz o programa de Bolsonaro. O candidato Jair Bolsonaro (PSL), durante a votação no primeiro turno, em escola no Rio de Janeiro Wilton Junior/Estadão Conteúdo Durante a campanha: Em 28 de agosto, porém, durante entrevista ao Jornal das Dez, da GloboNews, Bolsonaro foi questionado sobre uma proposta feita dias antes para expandir a autorização do ensino regular a distância para o ensino fundamental. Segundo o candidato, “o ensino presencial é o melhor possível”, mas ele admite considerar que “algumas matérias” possam ser ensinadas a distância. “Quando você vai para a área rural... (...) Nessas áreas, muitas vezes a escola está muito longe de onde mora aquela criança. E a tecnologia por satélite já chegou lá. Seria nós começarmos a investir por aí. E logicamente, nesses locais, um pai ou uma mãe, ou alguém que tome conta da garotada, pela manhã, tendo esse ensino a distância, vai, no meu entender, levar algum tipo de informação pra essa garotada ser alguém no futuro”, disse Bolsonaro. “Passa por aí. Agora, por outro lado também, eu não quero desempregar professores em hipótese alguma. Eu considero que o ensino presencial é o melhor possível, mas poderemos, sim, ter algumas matérias a distância dessa forma”, continuou o candidato. Questionado sobre como funcionaria o acesso às aulas em regiões da zona rural, que também são as que têm menos acesso à comunicação, ele negou que a proposta seja vaga. “Não fica vago. Olha só, uma maratona você começa com um passo”, disse o candidato, afirmando que a ideia inicial é aplicar a política para pequenos grupos de alunos. “Eu não posso definir quantas crianças são. Se as crianças se comportarem com uma pessoa que possa exercer autoridade, não tem problema a quantidade de crianças. Agora, se for uma quantidade muito grande, justifica você mandar um professor pra lá. Justifica. Isso aí funcionaria em um primeiro momento para pequenas quantidades de crianças”, afirmou Bolsonaro. A proposta, de acordo com ele, serviria tanto para atender crianças que vivem na zona rural muito distantes da escola e também para pais que preferem tirar a criança da escola e educá-los em casa, uma modalidade chamada de educação domiciliar e que, em setembro, foi proibida pelo Supremo Tribunal Federal (STF). “Agora, o pessoal quer, muitos querem, estudar em casa. Não é um grupo de garotos que vai ter uma aula a distância. Em casa, o pai muitas vezes, ou a mãe fica em casa, o pai fica em casa, ele queria dessa forma educar a criança em casa. Isso já existe no Brasil em parte, e no meu entender está crescendo, exatamente porque não estão aprendendo nada em sala de aula.” Proposta de Fernando Haddad (PT) Veja as promessas feitas por Haddad No programa de governo: Em seu programa, Haddad não fala diretamente sobre o ensino a distância no fundamental, mas se diz contra o EAD no ensino médio, que foi viabilizada pela reforma do ensino médio do governo de Michel Temer, em 2016, mas atualmente não tem regras definidas. A proposta é regulamentar a lei atual para detalhar o que é permitido e o que é proibido. “O futuro presidente vai revogar a reforma do ensino médio implantada pelo governo golpista, que estabeleceu que uma parcela importante da grade curricular seja ofertada na modalidade de ensino à distância. O governo Haddad irá elaborar um novo marco legal em diálogo com a comunidade educacional, organizações estudantis e toda sociedade”, diz o documento. O candidato Fernando Haddad (PT), durante votação no primeiro turno, em escola de São Paulo Marcelo Brandt/G1 Durante a campanha: Nesta segunda-feira (15), o candidato do PT criticou, em entrevista coletiva a jornalistas em São Paulo, a proposta de Bolsonaro de estender o ensino a distância para alunos do fundamental. “Se eleitos, nós vamos colocar, nós vamos deixar mais clara na LDB a proibição de educação a distância para o ensino fundamental, como o Bolsonaro está propondo. A educação a distância para o ensino fundamental criaria um problema sério no país”, afirmou Haddad. Segundo o candidato, a proposta de ensino a distância para alunos do fundamental vai contra a “perspectiva” de outros países, que caminham para ampliar o número de horas que os alunos passam na escola. “Criaria um problema muito sério, que é a não convivência das crianças... Toda a perspectiva do mundo é a educação em tempo integral. Ou seja, manter a criança na escola em tempo integral, para que ela possa conviver, se socializar, construir a sua própria personalidade, ter um professor e às vezes dois professores à disposição. E a ideia de usar a educação a distância no ensino fundamental é a destruição da escola pública”, disse Haddad. O candidato do PT afirmou ainda que a proposta de ampliar o ensino integral também vale para os alunos do ensino médio. “A nossa proposta vai no sentido de tornar a horas de permanência da criança na escola cada vez maiores. Ou seja, nós saímos de 4 horas para 5 horas, temos que mirar 7 horas. Essa é a perspectiva também no ensino médio, a permanência do jovem 7 horas na escola”, respondeu ele, afirmando que a tecnologia na educação deve ser aplicada na escola, e ressaltando que o ensino a distância de crianças sofre o empecilho da falta de supervisão. “Com o uso de tecnologia ,sim. Mas não com a ideia de que a pessoa em casa, sobretudo a criança em casa possa se educar na frente de um computador sem a presença de um adulto. Porque a maioria das crianças não terá a presença de um adulto à disposição. Os pais trabalham e a criança não terá condições de aprender sem a presença de um adulto. Por isso que é tão importante o professor estar perto das crianças, e as outras crianças estarem perto dos seus colegas”, completou Haddad. Regras atuais do ensino a distância O ensino a distância para alunos do fundamental é proibido por lei e, atualmente, não existe discussão sobre a viabilidade ou a validade dessa modalidade para as crianças de 6 a 14 anos. Atualmente, o ensino a distância só é permitido em dois casos: Ensino superior: é permitido apenas para algumas carreiras da graduação e alguns cursos de especialização. Ensino médio: a reforma feita pelo governo Temer abriu uma brecha para que parte das aulas seja oferecida na modalidade a distância. Porém, ainda não há diretrizes estabelecidas. Em qualquer nível de ensino, a forma de oferta do ensino deve ser regulamentada pelo Conselho Nacional de Educação (CNE). Atualmente, a regulamentação do ensino médio está em fase de discussão no CNE, já que esse nível de ensino foi reformulado pela reforma do governo Temer, anunciada em setembro de 2016 e sancionada em setembro de 2017. Apesar de ser uma medida independente, o ensino médio a distância já está previsto em uma brecha do texto da reforma: "os sistemas de ensino poderão reconhecer, mediante regulamentação própria, conhecimentos, saberes, habilidades e competências. Entre essas formas estão incluídas (...) a educação a distância ou educação presencial mediada por tecnologias". Na semana passada, o CNE abriu uma consulta pública para receber sugestões da sociedade sobre todos os aspectos da reforma, inclusive o ensino a distância. A proposta atual feita pelo relator, o conselheiro Rafael Luchesi, é que, para os alunos matriculados nos turnos matutino ou vespertino, a carga horária de aulas a distância só possa chegar a no máximo 20% do total, dando preferência apenas para os conteúdos dos percursos formativos, e não para as disciplinas do núcleo comum do currículo. Já para os estudantes matriculados no período noturno, a carga horária de aulas a distância poderia chegar a 30%, segundo a proposta. O CNE recebe comentários das comunidades escolares e da sociedade em geral por e-mail até 23 de outubro. Ao G1, a assessoria de imprensa do CNE afirmou que a ideia, ainda não confirmada, é que a proposta seja votada em novembro. Para entrar em vigor, ela ainda precisa ser homologada pelo Ministério da Educação. Initial plugin text

Milpa Alta – que mantém tradições de seu passado pré-colombiano – parece um pequeno vilarejo de montanha, mas faz parte da região administrativa da Cidade do México. Metade do território de Milpa Alta é coberto por florestas Megan Frye/BBC Na década de 70, antes de a estrada de terra ser asfaltada e se tornar a rodovia de duas pistas que leva a Milpa Alta, a avó de Javier Galicia-Silva descia as montanhas com destino a Xochimilco todos os dias às 4h. Dali, ela embarcava em uma chalupa (um táxi aquático de grandes proporções) por meio dos antigos canais que levam ao centro, onde passava o dia vendendo produtos frescos no distrito de La Merced perto do centro histórico da cidade mexicana. Com um pouco de dinheiro no bolso e alguns suprimentos nas costas, ela retornava para casa por volta das 20h para poder dormir e recomeçar a jornada no dia seguinte. Embora os agricultores de Milpa Alta façam agora a mesma viagem pela estrada, levando nopal (uma espécie de cacto comestível), mole (um tipo de molho mexicano), mel e tortillas de suas casas e jardins para vender nos mercados e nas lojas da cidade, muito pouco mudou desde aquele tempo. Milpa Alta ("Milharal Alto", em tradução livre) não poderia ser mais diferente da cidade cheia de poluição a que pertence formalmente e que negligencia sua localização na encosta da montanha. Embora seja oficialmente uma das 16 "demarcações territoriais" da Cidade do México (forma pela qual a capital mexicana é dividida administrativamente e antes chamada de "delegações"), permanece pouco visitada. Turistas estrangeiros são raramente vistos por ali. E, mesmo com o passar dos anos, a população local mantém vivas tradições centenárias. Milpa Alta é a delegação mais ao sul das 16 que formam a Cidade do México Megan Frye/BBC Falar a náuatle, a língua do império asteca, e usar o milpa, o sistema de rotação de culturas pré-colombiano, são algumas delas. Metade da área de Milpa Alta ainda é coberta por florestas e as terras ainda são, em sua maioria, livres de pesticidas, irrigadas por chuvas e lavradas por cavalos. Insetos e vários tipos de milho (incluindo variedades azuis e vermelhas) ainda fazem parte da dieta desta região que produz uma grande quantidade de alimentos para a capital, assim como fez para os habitantes de Tenochtitlán (a antiga cidade-sede dos astecas, onde agora se localiza a área central da Cidade do México) há mais de 500 anos. Oásis na região da capital De todas as "demarcações territoriais" da Cidade do México, Milpa Alta é a mais verde e menos povoada. É uma terra de florestas e campos, e não de favelas que brotam em meio ao concreto, tão presentes na capital mexicana. Apesar da estrada ser relativamente nova, chegar a Milpa Alta requer esforço. O congestionamento de Xochimilco, a delegação vizinha, faz com que seja longa a viagem de ônibus tanto da estação de trem em Xochimilco quanto de Tasqueña, a estação de metrô mais ao sul da cidade e seu centro de transporte. Demorei duas horas para chegar a Milpa Alta. Mas, à medida em que me aproximava, via sinais de que a viagem havia valido a pena. O trânsito se dissipou, o ar ficou menos pesado, o ônibus se esvaziou lentamente e as montanhas que são muitas vezes invisíveis da zona central da capital mexicana, de repente, pairavam sobre mim. Ali, encontrei Galícia-Silva, um historiador e professor mesoamericano. Ele usava um suéter vermelho e uma boina preta quando abriu a porta de sua casa para mim. Galícia-Silva acabara de dar uma aula gratuita de náuatle para moradores locais. É a forma que ele encontrou para ajudar a manter viva a língua de seus ancestrais. Galícia-Silva falava espanhol rápido, sorria com frequência e movimentava-se devagar. Convidou-me para acompanhá-lo ao jardim. Falou com orgulho de seus avós e de sua cidade natal de Santa Ana Tlacotenco, em Milpa Alta. Moradores de Milpa Alta vivem como antigamente, empregando técnicas agrícolas tradicionais para cultivar suas colheitas Megan Frye/BBC "Não sinto que sou parte da cidade", disse ele enquanto comíamos carambola, goiaba e uvas plantadas ali, movendo nossas cadeiras de plástico para escapar do sol escaldante do verão. "A cidade começa em Xochimilco e segue para o norte. Sou de Milpa Alta. Se encontrar alguém de Milpa Alta enquanto estou na cidade, perguntamos um ao outro quando voltamos para casa. Há um sentimento de irmandade aqui", explica. Milpa Alta, com sua antiga língua e costumes, é autossuficiente há milênios. As florestas são o lar de veados, coelhos e até mesmo cogumelos alucinógenos que Galícia-Silva diz que podem fazer você "enlouquecer" se não forem cozidos corretamente. Muitos dos moradores de Milpa Alta trabalham produzindo mole, e a região produz 90% do mole consumido na Cidade do México. Transmissão da cultura Tradições mesoamericanas ainda permanecem vivas, tais como temascals realizados por xamãs (um banho de suor indígena dentro de uma cabana de adobe que teria supostamente propriedades curativas e espirituais). Moradores locais também se orgulham de suas festividades, incluindo uma festival de verão em cada um dos seus 12 pueblos (povoados). A maioria deles inclui danças tradicionais, peregrinações religiosas e mayordomías (a custódia de um ícone religioso em sua casa e a realização de uma festa para a comunidade). O Dia dos Mortos, comemorado entre 1º e 2 de novembro, um feriado que mistura tradições indígenas e católicas, é celebrado de forma diferente aqui: moradores vão ao cemitério no dia 29 de setembro para "convidar" formalmente os mortos para as casas dos vivos. Sem esse convite, eles dizem que os espíritos não se juntarão às suas famílias. Quando o feriado chega, as fogueiras são feitas fora de cada casa, em torno do qual toda a família se reúne para comer tamales - um prato pré-hispânico, feito com massa de milho e geralmente carne, depois cozido no vapor em uma casca de milho. Ao caminhar pelas ruas íngremes e sinuosas dos povoados, você provavelmente será convidado para uma conversa, um pouco de pulque picante (néctar de agave fermentado) ou um tlacoyo fresco (uma tortilla de massa de milho recheada com queijo, feijão ou carne e coberto com nopal, queijo e salsa). As pessoas daqui dependem umas das outras e todos se conhecem pelo nome. Você ouvirá palavras em náuatle com frequência, embora o futuro da língua seja incerto há anos. "Minha avó nasceu na década de 1920 e só falava náuatle", diz Galicia-Silva. "A mãe dela, minha bisavó, dizia que ela precisava ensinar seus filhos a falar espanhol, não náuatle. Meu pai foi a última geração que aprendeu náuatle na escola. Hoje em dia, não é mais a língua da comunicação", acrescenta. De acordo com o historiador, na década de 1980, grupos de professores e membros da comunidade de Milpa Alta propuseram ao governo da cidade que tornasse obrigatório o ensino de náuatle em escolas públicas. Mas as autoridades afirmaram que os estudantes deveriam aprender espanhol como língua nativa, e inglês, francês ou alemão como segundo idioma, para aumentar as perspectivas futuras de emprego e educação. Discriminação e resistência Ao longo da história colonizada do México, falar uma língua indígena era motivo de discriminação, ainda presente até hoje. Galícia-Silva lembra-se de ter sido perguntado em sua universidade se ele era indígena. Seu pai sempre lhe dissera que eles eram uma família de agricultores: a palavra "índio" nunca fez parte de seu vocabulário. Hoje, o historiador se identifica com orgulho como indígena; especificamente, como Nahua. E há mais exemplos de resgate de identidade local. Subindo a ladeira a partir da casa da Galícia-Silva, está a casa do artista José Ortiz Rivera, onde ele e Oswaldo Galícia Calderón, ambos professores de náuatle, dão aula voluntariamente a familiares e vizinhos. A esperança deles é manter a língua viva entre as gerações mais jovens. "Meus pais falavam náuatle e agora se foram", diz Victor Ortiz, irmão mais novo de José e natural de Milpa Alta. Seu irmão havia passado mais tempo com seus pais e avós que falavam náuatle, e agora ele quer aprender também. "Sinto que é uma obrigação; tanto para resgatar minha identidade quanto pertencer a essa comunidade", explica. Enquanto isso, a população da delegação está crescendo rapidamente com pessoas de fora da comunidade Nahua, algo que preocupa Galícia-Silva quanto às áreas verdes e ao estilo de vida. "Quer queiramos ou não, estamos em um mundo globalizado e isso não vai mudar", disse ele, acrescentando que o rejuvenescimento da língua e da cultura indígenas pode ajudar a desmantelar cinco séculos de opressão e exploração. "Isso significa que temos que fazer estudos profundos da nossa língua e da nossa história. Ainda estamos longe de uma descolonização do nosso pensamento, mas estamos no caminho". Saí de Milpa Alta com a barriga cheia e o coração animado com a hospitalidade dos desconhecidos. Na viagem de ônibus de volta, pensei nos grandes avanços que Milpa Alta está fazendo para recuperar sua identidade e como, apesar de fazer parte desta megalópole movimentada, ainda se sente a um mundo de distância.

  • Error
  • Brasil
  • Mundo

RSS Error: A feed could not be found at http://www.foxsports.com.br/feeds/noticias/. A feed with an invalid mime type may fall victim to this error, or SimplePie was unable to auto-discover it.. Use force_feed() if you are certain this URL is a real feed.

Espetáculo será no dia 30 de setembro, no Teatro das Bacabeiras. Apresentação aposta na interação com o público para garantir risadas. Comediante Carlinhos Maia se apresentará pela primeira vez em Macapá no dia 2 de setembro Divulgação O alagoano Carlinhos Maia é um dos fenômenos das redes sociais, somando quase 10 milhões de seguidores no Instagram e Facebook. Conhecido pelos vídeos bem humorados, o artista estará no Amapá pela primeira vez no dia 30 de setembro, às 20h, no Teatro das Bacabeiras, no Centro de Macapá. O show havia sido marcado para o dia 2 de setembro, mas, por problemas de saúde da mãe dele, o artista anunciou o adiamento da apresentação através das próprias redes sociais. A organização do evento informou que os ingressos comprados anteriormente serão válidos para a nova data. A devolução do ingresso também está sendo feita. Maia se destacou na internet falando do seu dia a dia e assuntos cotidianos com irreverência, além de mostrar a convivência com os vizinhos na vila onde mora, na cidade de Penedo, em Alagoas. No show "Mas, Carlos!", que será apresentado na capital, o artista relata vários momentos de sua trajetória, até o sucesso com vídeos na web. Ele aposta na interação com o público para garantir risadas. Outro característica do show é que Maia conta, de forma bem humorada, um pouco sobre a vida de "digital influencer", que é uma espécie nova de celebridade. Marlon Santos, produtor do espetáculo, comenta que Maia é, atualmente, um dos maiores fenômenos das redes sociais e que o novo show dele é um dos mais procurados do país. "A motivação para trazer o Carlinhos [Maia] para Macapá é bem simples, ele está bombando nas redes sociais e todo mundo no país quer conhecer mais sobre ele, o que é justamente o que será apresentado no espetáculo", falou. Para garantir os ingressos antecipados, que custam de R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia). Serviço Espetáculo 'Mas, Carlos!' Data: 30 de setembro (domingo) Local: Teatro das Bacabeiras Hora: 20h Ingressos: R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia) Informações: (96) 98138-0887 Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o Tô Na Rede!

'Linda Rosa', 'João de Barro' e 'Shimbalaiê' fazem parte do repertório. Evento será realizado no dia 1º de setembro num espaço cultural na Zona Central de Macapá. Apresentação está marcada para o dia 1º de setembro, em um espaço cultural em Macapá Michele Maycoth/Arquivo Pessoal Interpretando sucessos de Maria Gadú, uma das relevações da MPB, a cantora amapaense Michele Maycoth prepara um show que promete embalar os apaixonados. A apresentação está marcada para o dia 1º de setembro, a partir das 20h, em um espaço cultural na Zona Central de Macapá. Com uma apresentação predominantemente acústica e intimista, a cantora espera estar mais próxima do público, principalmente para cantar junto com ela sucessos como "Linda Rosa", "João de Barro", "A História de Lilly Braun" e "Shimbalaiê". De acordo com a produção do show, Michele tocará durante mais de uma hora e também haverão participações especiais, entre elas, Alexandre Moraes, Erick Pureza e Nitai Silva. Os ingressos podem ser adquiridos em dois postos de vendas na Zona Central da capital e com a produção do show ao preço inicial de R$ 10. Sucessos como 'Linda Rosa', 'João de Barro' e 'Shimbalaiê' não vão ficar de fora do show Divulgação Serviço Michele Maycoth canta Maria Gadú Data: 1º de setembro (sábado) Hora: 20h Local: Quintal Walô 54 (Avenida José Antônio Siqueira, 1212, bairro Jesus de Nazaré) Ingressos: R$ 10 (1º lote) Postos de vendas: Norte Rock (Villa Nova Shopping); Quintal Walô 54 Informações e compra de ingressos: (96) 98142-0743 Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o Tô Na Rede!

Mostra reúne 27 imagens do fotógrafo Floriano Lima. Vernissage acontece no dia 24 de agosto no Sesc Centro, em Macapá. Visitações seguem até 20 de setembro. Mostra 'Minha Aldeia' busca evidenciar as belezas escondidas na simplicidade da vida no Amapá Floriano Lima/Divulgação Com fotos de paisagens, cartões-postais e até mesmo de trabalhadores à beira do Rio Amazonas, o fotógrafo Floriano Lima reúne 27 imagens que retratam o cotidiano amapaense na exposição "Minha Aldeia". A mostra ficará aberta ao público de 27 de agosto a 20 de setembro, na unidade Centro do Serviço Social do Comércio (Sesc), em Macapá. O fotógrafo define não existir um tema específico na exposição, condição que deu a ele liberdade para retratar desde as fotos mais "clichês", até imagens comuns do dia a dia. "Sempre gostei de fotografar nossos cartões postais porque eles são muito bonitos e únicos. Então, por mais 'batidas' que pareçam, eles fazem parte da proposta da exposição", adiantou. Dormir na rede, trabalhar com embarcações ou até mesmo o céu no fim de tarde são inspirações para o fotógrafo, que diz buscar evidenciar as belezas escondidas na simplicidade. Todas as imagens foram feitas entre 2016 até este ano. Elas compõem fases da profissão de Floriano Lima, de 56 anos, que iniciou a fazer "clicks" aos 17. "Essas fotos são recentes e fazem parte da minha carreira profissional. Apesar de fotografar desde a adolescência, quando ganhei minha primeira câmera fotográfica, trabalho profissionalmente na área há cerca de 5 anos", contou. A vernissage da exposição acontece no dia 24 de agosto, às 19h público poderá prestigiar a mostra de segunda a sexta-feira, no horário das 9h às 11h e das 15 às 17h. Serviço Exposição fotográfica "Minha Aldeia" Data: vernissage 24 de agosto; visitações de 27 de agosto a 20 de setembro Hora: abertura 19h; visitações das 9h às 11h e das 15h às 17h Local: Sesc Centro Entrada: gratuita Fotógrafo reuniu 27 imagens para a mostra que acontece até o dia 20 de setembro Floriano Lima/Divulgação Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o Tô Na Rede!

Espetáculo está marcado para os dias 16 e 17 de agosto, no Teatro das Bacabeiras. Adaptação amapaense vai regionalizar história original que é inglesa. Peça teatral 'Harry Potter e o Herdeiro Amaldiçoado' será nos dias 16 e 17 de agosto, em Macapá Google Inspirada na peça londrina que contou os acontecimentos 19 anos depois de "Harry Potter e as Relíquias da Morte", um grupo amapaense de teatro propõe uma adaptação do espetáculo que virou sucesso no Reino Unido e bateu recorde de bilheteria na Broadway. A apresentação acontece nos dias 16 e 17 de agosto, às 20h, no Teatro das Bacabeiras, no Centro de Macapá. Intitulado "Harry Potter e o Herdeiro Amaldiçoado: A Oitava História Dezenove Anos Depois", a peça do grupo "O Beco Teatral e o Projeto Literar Amapá" segue a estrutura do espetáculo londrino, com os protagonistas da saga mais velhos e focando a aventura nos filhos do feiticeiro. De acordo com um dos diretores da peça, Iury Laudrup, o trabalho foi regionalizado. "Nosso trabalho é adaptar, uma vez que a peça original tem mais de 5 horas de duração. Então, encurtamos a história e regionalizamos o roteiro para que nossa peça tenha sua própria identidade", ressaltou. O espetáculo amapaense conta com oito personagens no elenco principal e 12 pessoas na produção e terá uma hora e meia de duração. Os ingressos para o espetáculo podem ser adquiridos antecipadamente em três postos de vendas na Zona Central da capital, ao preço de R$ 15 + um quilo de alimento não perecível. História A montagem teatral continua a história de Harry Potter de onde o sétimo e último volume da saga de J.K. Rowling parou, com um enredo envolvendo um Harry adulto e o seu filho do meio, Alvo Severo. Ele também é pai de Tiago Sirius, o mais velho, e de Lília Luna, a caçula. Agora, Potter é um funcionário sobrecarregado de trabalho no Ministério da Magia, com três crianças em idade escolar. Ele "lida com um passado que se recusa a ficar no lugar ao qual pertence", diz um texto sobre a peça. Enquanto isso, Alvo, assim chamado em homenagem ao antigo diretor de Hogwarts e mentor de Harry, Alvo Dumbledore, se esforça para lidar com o peso do legado da família. Serviço "Harry Potter e o Herdeiro Amaldiçoado: A Oitava História Dezenove Anos Depois" Datas: 16 e 17 de agosto Local: Teatro das Bacabeiras (Rua Cândido Mendes, 1087 – Centro) Ingressos: R$15 + um quilo de alimento não perecível Postos de Venda: Livraria Acadêmica (Macapá Shopping - Piso L2); Amapanime Space (Avenida Vereador Orlando Pinto, Nº: 640F - Santa Rita); Parada do Cachorro Quente (Rua Odilardo Silva, Nº: 2289 - Centro) Informações: (96) 98128-4949 / (21) 96979-6812 Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o Tô Na Rede!

Valores dos meios disponíveis na cidade variam de R$ 4,05 a R$ 15. Preço do transporte coletivo varia de acordo com forma de pagamento e para comunidades rurais TV Integração/Reprodução Quem mora em Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas, e precisa se locomover conta, atualmente, com três empresas de aplicativos, ônibus, taxis e mototaxis à disposição. Mas, destas, qual a mais barata? O G1 fez um levantamento com todos os tipos de transporte disponíveis na cidade. Com base em uma viagem de dois quilômetros, o usuário gasta entre R$ 4,05, caso opte por ir de ônibus, a R$ 15 caso faça o trajeto em um táxi ou em dos aplicativo disponíveis na cidade. Ônibus Segundo a Prefeitura, o meio de transporte mais utilizado no município é o transporte público, que tem cerca de 80 mil usuários por dia. O valor das passagens, no entanto, varia. Atualmente, o transporte público municipal custa R$ 4,05 para pagamento em dinheiro e R$ 3,60 para pagamento via cartão de vale-transporte. Segundo a Prefeitura, a frota é de 153 ônibus na cidade. Destes, 144 fazem viagens diárias e outros nove funcionam como veículos reservas. Para as comunidades rurais, o preço varia de acordo com a distância da comunidade ao centro da cidade. Veja na tabela os preços: Preços de ônibus para comunidades rurais em Divinópolis Táxis e Mototáxis Segundo a Associação dos Taxistas de Divinópolis, o número de motoristas não acompanha o tamanho da população. Atualmente, existem 90 taxistas no município espalhados em pontos estratégicos da cidade como no Centro, rodoviária e próximo à supermercados. A associação, no entanto, afirma que os pontos são insuficientes e bairros mais afastados também deveriam ter a presença dos veículos. Atualmente, uma corrida do Centro até o bairro Niterói, com cerca de dois quilômetros de distância, custa, em média, R$ 15 dependendo da bandeira. Valor médio do táxi em Divinópolis para corrida de 2 km é de R$ 15 Reprodução/TV Integração Deste valor, R$ 4,50 são impostos que devem ser repassados ao município – o valor é, também, o valor inicial registrado no taxímetro, segundo a associação. O serviço de mototáxi foi regulamentado em agosto do ano passado e atualmente, segundo a Prefeitura, cerca de 60 mototaxistas atuam nas quatro empresas regularizadas no município. O preço das corridas, no entanto, é calculado pelos próprios motoristas e não é tabelado. Usando como parâmetro a distância levantada com o táxi, três mototaxistas da cidade afirmaram valores distintos para a corrida: o primeiro disse ao G1 que cobraria R$ 5. O segundo, R$ 7 e o terceiro cobraria R$ 10 pela corrida. Segundo a Prefeitura, a diferença é considerada normal porque os gastos do mototaxista varia de acordo com o tipo de moto conduzida por ele e, diferentemente dos táxis, o serviço não possui um valor mínimo estipulado. Mototáxi também apresenta variação no preço Reprodução/Tv Integração Aplicativos A cidade conta, ainda, com três opções de transporte por aplicativo: Uber, Go Car e Uper 7. Para usar o serviço, o usuário deve instalar os respectivos aplicativos em seu smartphone. Segundo um dos proprietários do Go Car, Bruno Alvim, a tarifa do serviço é cerca de 25% menor do que a cobrada pelos táxis. Atualmente, a empresa conta com cerca de 20 veículos pela cidade. No trajeto entre o Centro e o Bairro Niterói, por exemplo, a corrida ficaria em R$ 7. A Uper 7, empresa fundada em 2009, afirmou contar com cerca de 30 veículos cadastrados na cidade. Destes, a tarifa básica dos taxistas é mantida e cobra-se entre R$ 2,17 e R$ 2,50 por quilômetro, dependendo do tipo de veículo solicitado. O valor estimado pelo aplicativo no trajeto escolhido pelo G1 apontou o mesmo preço do táxi. A Uber, por sua vez, informou, por meio da assessoria, que divulga somente dados estaduais. Segundo a empresa, em Minas Gerais atualmente existem 35 mil motoristas atuando pelo aplicativo. Um motorista que faz corridas pelo aplicativo da Uber em Divinópolis, e que pediu para não ser identificado, revelou ao G1 que existe um grupo de mensagens instantâneas com os motoristas da empresa na cidade e que, atualmente, existem cerca de 60 pessoas. No trajeto calculado pela reportagem, a corrida ficaria em R$ 6,75. Contudo, o motorista alerta que o preço varia conforme o horário e a demanda dos usuários. Com relação ao transporte particular, Divinópolis conta atualmente com cerca de 125 mil veículos - uma média de dois habitantes por veículo.

Desde a vitória da revolução islâmica em 1979, as mulheres estão proibidas de comparecer a estádios para assistir a jogos de futebol masculinos. 'Leva ao pecado', diz procurador-geral do Irã. Mulheres torcem durante o jogo entre Irã e Bolívia no estádio Azadi, em Teerã AFP/STR O Procurador-Geral do Irã, Mohamed Jafar Montazeri, afirmou nesta quarta-feira (17) que não permitirá que seja dada novamente uma autorização excepcional para que mulheres possam ir ao estádio assistir a um jogo de futebol masculino. Na avaliação do magistrado, isso "leva ao pecado". Na terça-feira à noite, uma centena de mulheres iranianas puderam assistir excepcionalmente no estadio Azadi, em Teerã, ao amistoso entre a seleção de seu país e a Bolívia, após receberem uma autorização dos autoridades. O Irã venceu o jogo por 2 a 1. "Não concordo com a presença destas mulheres ontem no estádio Azadi. Somos um Estado Islâmico, somos muçulmanos. Que uma mulher vá ao estádio e encontre homens quase pelados com roupas de esporte, isso leva ao pecado", declarou o procurador-geral, citado pela agência Mehr. Desde a vitória da revolução islâmica em 1979, as mulheres estão proibidas de comparecer a estádios para assistir a jogos de futebol masculinos, oficialmente para protegê-las das grosserias dos homens. Esta medida é muito contestada no próprio meio do sistema político iraniano. O presidente do Irã, Hassan Rohani, considerado moderado, já afirmou diversas vezes publicamente que quer ver mulheres nos estádios, mas essa mudança na lei esbarra na oposição ultraconservadora do governo. Em 26 de junho, milhares de mulheres, acompanhadas de familiares, foram autorizadas a entrar no estádio Azadi para assistir à transmissão em telão da partida entre Irã e Portugal, válida pela Copa do Mundo da Rússia. Em setembro de 2017, um pequeno número de mulheres eleitas no Parlamento receberam a autorização para assistir ao jogo das eliminatórias para a Copa da Rússia entre Irã e Síria.

Maioria dos desaparecidos é de Panama City e muitos são idosos, deficientes, pobres ou moram sozinhos. Essas pessoas podem estar deslocadas e, por enquanto, não se supõe que estejam mortas. Homens caminham nesta quarta-feira (17) em frente à casa destruída pelo furacão Michael em Mexico Beach, na Flórida (EUA) Joe Raedle / Getty Images North America / AFP Mais de 1 mil pessoas continuavam desaparecidas nesta quarta-feira (17), uma semana depois de o furacão Michael ter arrasado comunidades da Flórida e matado mais de 20 pessoas nos Estados Unidos, segundo a Reuters. Essas pessoas podem estar com amigos e familiares e, por enquanto, não se supõe que estejam necessariamente mortas. Equipes formadas por centenas de voluntários da CrowdSource Rescue, organização sediada em Houston, estão buscando mais de 1.135 pessoas da Flórida que perderam contato com amigos e familiares, disse o cofundador da entidade, Matthew Marchetti. A maioria dos desaparecidos é de Panama City e muitos são idosos, deficientes, pobres ou moram sozinhos, detalhou Marchetti. Imagem aérea mostra destruíção em Mexico Beach, na Flórida, após passagem do furacão Michael Reuters/Dronebase As autoridades da Flórida não forneceram uma cifra das pessoas consideradas desaparecidas. Destroços e árvores e linhas de energia caídas vêm dificultando o acesso a pessoas isoladas, mas a CrowdSource disse que vários de seus relatos sobre pessoas desaparecidas resultaram da interrupção generalizada dos serviços de telefonia e eletricidade. O saldo de mortes inclui 17 na Flórida, uma na Geórgia, três na Carolina do Norte e seis na Virgínia, de acordo com uma soma de relatórios oficiais feita pela Reuters. Autoridades disseram que legistas estão determinando se quatro outras mortes na Flórida foram causadas pela tempestade. De acordo com a France Presse, o número de mortos já chega a 30. O Michael se abateu sobre o litoral noroeste da Flórida na quarta-feira (10) com ventos contínuos de 250 quilômetros por hora, e o avanço da água do mar foi tamanho que demoliu casas. Carro é visto em meio a destroços após passagem do furacão Michael por Mexico Beach, na Flórida, na quinta-feira (11) Douglas R. Clifford/Tampa Bay Times via AP Cerca de 35 mil moradores da Flórida ligaram para a Agência Federal de Gerenciamento de Emergências (Fema) pedindo ajuda desde então, e a agência já aprovou um milhão de dólares de assistência a pessoas dos 12 condados em questão, disse o porta-voz Ruben Brown em Tallahassee. A Fema distribuiu cerca de 4,5 milhões de refeições, mais de 5 milhões de litros de água e 9 milhões de conjuntos para crianças pequenas e de colo, informou ele. Em Mexico Beach, que foi atingida diretamente, o número de desaparecidos diminuiu para três na terça-feira, disse Rex Putnal, um conselheiro municipal – um dia antes eles passavam de 30. A cidade de 1.200 habitantes havia relatado duas fatalidades na segunda-feira. Quase 163 mil lares e negócios continuam sem energia no sudeste dos Estados Unidos, e os moradores de cidades costeiras são obrigados a cozinhar em fogueiras e grelhas de churrasco. Furacão Michael atinge a Flórida Juliane Monteiro/G1

Superaglomerado ancestral de galáxias pode dar novas pistas sobre a origem do Universo. O Hyperion tem uma massa mais de um milhão de bilhões de vezes maior que a do Sol Divulgação/ESO/BBC Uma equipe internacional de astrônomos anunciou nesta quarta-feira a descoberta da maior estrutura já encontrada no espaço, um superaglomerado ancestral de galáxias com massa de mais de um milhão de bilhões de vezes a do Sol. Hyperion, como foi batizada, é a maior estrutura já vista nos primeiros 5 bilhões de anos do Universo. Para compreender isto, precisamos lembrar que há um consenso no meio astronômico de que o Big Bang, ou seja, a explosão fundamental que deu origem ao Universo, ocorreu entre 13,3 bilhões e 13,9 bilhões de anos atrás. Quando os cientistas miram telescópios para os confins do espaço, eles estão sempre observando o passado - afinal, a luz viaja a uma velocidade de 300 mil quilômetros por segundo e, ao olhar para o céu, o que se vê é a luz emitida pelos astros, sempre com algum grau de "delay". Por exemplo: a luz do nosso Sol, que está "perto" - em termos astronômicos -, chega a nós com um atraso de 8 minutos, que é o tempo que a luz demora para percorrer a distância. No caso de Hyperion, ela está tão distante que a imagem obtida pelos cientistas é um retrato de mais de 11 bilhões de anos atrás - calcula-se que o superaglomerado ancestral de galáxias seja de quando o Universo era um jovem de 2,3 bilhões de anos. Hyperion recebeu este nome por causa de suas dimensões colossoais em referência a um dos titãs da mitologia grega. Em português, é também chamado de Hiperião, Hipérion ou Hiperíon. A descoberta Catorze instituição científicas europeias, americanas e asiáticas fizeram parte da pesquisa que culminou na descoberta. Os trabalhos foram liderados pela astrônoma Olga Cucciati, do Instituto Nacional de Astrofísica de Bolonha, Itália, e pelo astrofísico Brian Lemaux, da Universidade da Califórnia. Eles utilizaram um instrumento chamado VIMOS, do Very Large Telescope do Observatório de Paranal, localizado em uma montanha de 2.635 metros de altura em pleno deserto do Atacama, no norte do Chile. O Very Large Telescope é o maior telescópio em funcionamento do mundo. Seu espelho principal tem 8,2 metros de diâmetro. Ele é operado pelo European Southern Observatory (ESO), de um centro técnico-científico que fica em Munique, na Alemanha. "Nosso levantamento teve como alvo cerca de 10 mil galáxias do início do Universo, para observações com o VIMOS. Esse instrumento é capaz de observar a luz visível de várias centenas de galáxias simultaneamente e dispersar essa luz em suas diferentes cores como um prisma, de modo que possamos estudar a intensidade da luz em cada cor", explicou à BBC News Brasil o astrofísico Lemaux. A descoberta empolga os estudiosos do espaço porque permite compreender melhor os primeiros bilhões de anos pós-Big Bang. "Como estruturas tão grandes e complexas nunca haviam sido verificadas antes a tais distâncias, não estava claro se o Universo era capaz de criar estruturas assim tão cedo em sua história", diz Lemaux. "Como é uma distância em que a gravidade teve pouco tempo para agir - afinal, estamos falando de apenas 2 bilhões de anos do início do Universo -, ver uma estrutura deste tipo com toda a sua complexidade é algo muito surpreendente." "Normalmente, estruturas desse tipo são conhecidos a distâncias mais recentes, indicando que o Universo precisou de muito mais tempo para evoluir e construir coisas tão grandes", completa Cucciati. "Foi uma surpresa ver que algo evoluiu assim quando o Universo era relativamente jovem." Lemaux ressaltou que a quantidade de massa do Hyperion também é algo impressionante. "Ao somar todas as galáxias e inferir a quantidade de matéria escura dentro de Hyperion - sendo esta última a matéria que não podemos ver e que apenas age gravitacionalmente - descobrimos que a sua massa já estava próxima da dos superaglomerados atuais de galáxias", compara. "Um dos objetivos de nossa pesquisa é agora usar Hyperion e outras estruturas semelhantes para confrontar teorias de como a estrutura da teia cósmica, nome dado à estrutura de grande escala do universo, se forma e evolui", comenta o cientista. Para entender a 'teia cósmica' Sendo um conceito relativamente novo, a teia cósmica seria uma rede formada por todas as galáxias existentes, composta por invisíveis filamentos. De acordo com essa ideia, essas conexões formam a maior parte da matéria sideral. Já os superaglomerados foram descobertos pela primeira vez em 1953. Trata-se de um conjunto gigantesco de galáxias - o que, segundo os cientistas, comprova que a distribuição delas no espaço não ocorre de forma uniforme. A maior parte da comunidade astronômica hoje concorda que as galáxias estão agrupadas em conjuntos de cerca de 50 e aglomeradas em grupos de milhares. Os superaglomerados são, portanto, conjuntos impressionantemente maiores. O Very Large Telescope é o maior telescópio em funcionamento do mundo ESO/BBC Como olhar para eles é olhar para o passado, os cientistas acreditam que Hyperion "é uma estrutura que provavelmente está destinada a se tornar das maiores e mais massivas do universo atualmente", define Lemaux. "Em outras palavras, sistemas como ele semearam as maiores coleções de galáxias que podemos ver hoje nas proximidades da Terra, como o superaglomerado de Virgem, uma imensa estrutura que contém, entre muitos outros, o Grupo Local, o lar de nossa Via Láctea." Mapeamento Graças ao instrumento VIMOS, os cientistas conseguiram fazer uma mapeamento tridimensional de Hyperion. A equipe descobriu, por exemplo, que a estrutura tem pelo menos sete regiões de alta densidade, conectadas por filamentos de galáxias. E ele aparenta ser diferente dos superaglomerados mais próximos da Terra. "Enquanto os mais próximos tendem a ter uma distribuição de massa mais concentrada, com características estruturais claras, Hyperion tem a massa distribuída de maneira muito mais uniforme, em uma série de bolhas conectadas, povoadas por associações de galáxias", afirma o astrofísico. Os pesquisadores apontam que essa diferença se dá justamente porque os superaglomerados mais velhos tiveram bilhões e bilhões de anos para que a gravidade agisse, aproximando a matéria e, assim, criando regiões mais densas. Se este raciocínio estiver certo, Hyperion deve evoluir da mesma forma. "Compreendê-lo e entender como ele se compara a estruturas semelhantes pode nos fornecer insights sobre como o Universo se desenvolveu no passado e evoluirá para o futuro", diz Cucciati. "Desenterrar este titã cósmico ajuda a descobrir a história dessas estruturas de larga escala." Ele conta que os cientistas também identificaram um grande reservatório de gás hidrogênio difuso "e relativamente frio" e uma região que parece conter sinais de um aglomerado de galáxias em formação. "Essa imensa atividade e diversidade tem sido prevista a partir de alguns modelos de formação de galáxias e estruturas", comenta. "Mas, com Hyperion, é a primeira vez que conseguimos vê-la em um sistema." "Embora o destino de toda estrutura seja incerto, estamos desenvolvendo modelos para prever a evolução das galáxias", acrescenta. "Nossa esperança é, no futuro, que tais conexões nos permitam entender como as galáxias crescem, amadurecem e, eventualmente, chegam ao fim de suas vidas."

Até o momento, não há relato de vítimas. Empregado da empresa onde envelope com pó foi encontrado conversa com funcionário do resgate nesta quarta-feira (17), em Estocolmo, na Suécia Janerik Henriksson / TT Agência de Notícias / AFP Dezenas de policiais, bombeiros e médicos foram mobilizados nesta quarta-feira (17) no bairro Östermalm, no centro de Estocolmo, após um alerta de pó suspeito, constataram jornalistas da AFP. Até o momento, não há relato de vítimas. Parte do bairro foi fechado ao tráfego por volta das 15h (10h de Brasília) e um grande perímetro de segurança foi estabelecido ao redor da rua Ingmar Bergman, onde funcionários de uma empresa descobriram um envelope contendo pó. Bombeiros vestindo roupas especiais e máscaras de gás atendiam uma dúzia de pessoas, submetidas, por precaução, a uma operação de descontaminação, informou a polícia da capital sueca. De acordo com informações não confirmadas do jornal "Aftonbladet", o pó encontrado seria farinha.

Rua fica perto do Ministério britânico da Defesa. Robô que desarma bombas está no local. Polícia isola rua de Londres nesta quarta-feira (17) e investiga pacote suspeito Hannah McKay/Reuters A polícia britânica bloqueou nesta quarta-feira (17) uma rua de Londres e investiga de um pacote suspeito no local. "Nos ligaram aproximadamente às 15h40 (do horário local, às 11h40 pelo horário de Brasília) para avisar sobre um pacote suspeito em Embankment Gardens", disse um porta-voz da Scotland Yard à agência de notícias France Presse. "Os serviços de emergência estão no local", afirmou. A rua bloqueada fica perto do Ministério britânico da Defesa. Uma fotógrafa da Reuters no local viu um robô que desarma bombas no local.